O que esperar do novo PNAIC proposto pelo Governo Temer?

O Ministério da Educação informou na última semana aperfeiçoamentos ao desenho inicial do Programa Nacional de Alfabetização na Idade Certa (Pnaic em Ação 2016) com investimento de R$ 340,2 milhões na capacitação de 310 mil alfabetizadores de todo o Brasil, no último trimestre deste ano. Contudo, podemos observar que no passado o programa que surgiu com uma excelente proposta de formação continuada para os professores do ciclo de alfabetização acabou apresentar falhas exorbitantes e que, de certa forma, ocasionaram descontentamento por parte de professores e secretarias de educação. Cito abaixo algumas falhas que observei no programa em seus primeiros anos de funcionamento:

  • Desorganização do calendário a nível nacional (o início do programa se deu em períodos diferentes em diferentes estados);
  • As bolsas no valor R$ 200,00 paga aos professores por formação não tinha data fixa para serem pagas e com isso houve muito atraso no pagamento das mesmas.
  • Atraso de muitas faculdades na entrega dos certificados de participação no Programa Nacional de Alfabetização na Idade Certa.
  • Falta de informação por parte do MEC aos professores;
  • Erros de informações no Sistema Integrado de Monitoramento Execução e Controle (SIMEC).
  • Rotatividade de professores que fizeram a formação para alfabetização através do PNAIC e atualmente leciona fora do ciclo (isso em alguns municípios).

Tenho certeza que não pela bolsa, mas pela formação e melhoria na qualidade da alfabetização no Brasil,  muitos professores desejam que o Programa Nacional de Alfabetização na Idade Certa (PNAIC) seja e mantido e que algumas melhorias sejam aplicadas. Sendo elas:

  • Unificação do calendário de formações em todos os estados do Brasil;
  • Pagamento das bolsas em datas predeterminadas, pois muitos professores precisam utilizar dessa bolsa para custear transporte e alimentação (há casos em que o município faz esse custeio).
  • Melhor comunicação entre o Sistema Integrado de Monitoramento Execução e Controle (SIMEC) e as Universidades para que assim a certificação aconteça com mais brevidade possível.
  • Atualização dos servidores do Sistema Integrado de Monitoramento Execução e Controle (SIMEC) para que não haja falta comunicação com os professores participantes.

Uma outra questão que considero pertinente falar, é sobre a rotatividade funcional durante o programa, mas isso depende muito dos municípios. Particularmente, penso que seria interessante que os professores alfabetizadores dos municípios participassem dos três anos de formação, adquirindo desta forma conhecimentos sobre os três anos do ciclo de alfabetização.

Por fim, acho que a estrutura do programa deveria oferecer formação específica para a alfabetização de alunos da Educação Inclusiva.

Aguardemos o que virá.


O Incrível Zé

Você pode gostar...

Comente esta postagem

1 Resultado

  1. Aline Adriane disse:

    Boa tarde! Sou professora da Rede Estadual de Goiás e participei da formação do PNAIC no ano de 2015. Concordo que realmente houve estes contratempos mas as vantagens das formações foram maiores que estas falhas. Contribuiu muito para minha gestão de sala de aula e penso que não poderia parar como foi feito em 2016.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *