Professor que limpava arquivo de faculdade para pagar graduação leciona hoje na instituição onde se formou

O frio na barriga que o professor assistente Sidney Silva dos Santos sentiu ao lecionar pela primeira vez para uma turma de graduação em História, há três anos, foi quase o mesmo que o então menino Sidinho sentia quando saía de casa, na Favela da Mangueirinha, em Duque de Caxias, aos 8 anos, com a responsabilidade de vender todos os 40 pedaços de cuscuz para ajudar no sustento da casa.

Um hiato de 31 anos separou a infância — interrompida pelo trabalho — do sonho de ser um docente. Mas Sidney, hoje com 42 anos, nunca desistiu. Com 12 anos, começou a trabalhar numa banca de jornal. Acordava às 3h30 e trabalhava até as 14h. Ia para a escola, mas não aguentava e dormia na sala. Aos 14, quando foi contratado por uma fábrica de plástico, abandonou a escola.

— Minha função era catar material reciclável na rampa do Lixão do Jardim Gramacho. Separava o material para a fábrica e uma parte para mim: os livros, revistas, jornais. Isso, desde cedo. No intervalo da venda de doces, ainda criança, eu lia gibis. Lia de tudo, sempre fui apaixonado por histórias — lembra Sidney, que seguiu trabalhando em fábrica, distribuidora, como segurança e até guarda municipal.

A vontade de voltar a estudar falou mais alto na fase adulta. Com 29 anos, concluiu os ensinos fundamental e médio à distância. Em 2006, soube da graduação na Fundação Educacional de Duque de Caxias (Feuduc):

— Eu fazia alguns trabalhos em ótica e bicos como segurança. Então, me matriculei, na esperança de uma bolsa.

 A paixão pelo curso de História era cada vez maior, mas a bolsa não veio. As dificuldades continuaram, e Sidney precisou interromper os estudos mais uma vez por mais de um ano. A solução foi um projeto criado por um professor dentro da faculdade. Ele contribuiria com a limpeza da instituição e ficaria isento das mensalidades.

— O professor Inácio Ferreira coordenou um grupo de organização e limpeza dos arquivos. Ele sabia da minha história e me selecionou. Estava no 4º período, e foi um ano de projeto. Depois, renegociei o final do curso e consegui concluir. Fui o primeiro na família a ter graduação.

Desde então, Sidney nunca mais parou. Emendou a pós-graduação na Feuduc em Ciências Sociais e, em troca, começou a atuar como professor assistente. Hoje, é aluno do mestrado em Comunicação, Educação e Cultura na Faculdade de Educação da Baixada Fluminense (FEBF- Uerj). Continua como professor na sua faculdade de origem e, como bom historiador que é, orgulha-se de contar sua trajetória:

— Acredito que contar essa história incentiva outras pessoas e mostra que é possível realizar um sonho. Porque todo professor acredita na educação.

FONTE: https://www.verdadesa.com.br/

Você pode gostar...

Comente esta postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *