Veja fotos e vídeo de escola indígena de MT em formato de tatu que ‘viralizou’ nas redes sociais

GOSTOU? ENTÃO COMPARTILHE COM ALGUÉM...

Foto: Reprodução

Foto de escola indígena de MT em formato de tatu ‘viraliza’ nas redes sociais

Fotos  de uma escola localizada na Aldeia Nossa Senhora das Graças, do povo Xavante, em Barra do Garças (516km de Cuiabá), viralizaram nas redes sociais no último final de semana. Chamada na língua xavante de Iró’ Órãpe, a escola está na reserva xavante de São Marcos, no interior do município.

No Twitter, as pessoas se surpreenderam e elogiaram o formato. A publicação original, no entanto, já foi deletada. O projeto foi destaque, ainda, de uma matéria da Hypeness. A escola foi entregue em 2007, durante a gestão do prefeito Zózimo Chaparral (PCdoB).

Em 2016, no entanto, a escola foi interditada pelo Ministério Público Federal (MPF), assim como outras quatro do mesmo território. O motivo seria a existência de falhas estruturais nas edificações, o que oferecia risco aos estudantes e professores.

Foto: PRMT / Barra do Garças

Um estudo da doutora em linguística Águeda Aparecida da Cruz Borges, publicado em 2012, explicou que “A escola é o fortalecimento vivo da cultura, para os jovens aprendem a valorizar o povo e falar a língua. (…) o povo Xavante resolveu fazer a escola para também a troca de culturas com outras etnias, conhecendo as expressões culturais que fazem parte da cultura, para falar também da população brasileira e de outros países, (…) para combater a intolerância e o preconceito com nós indígenas, pois na Constituição Federal diz lá que todos são cidadão”.

Além disso, o propósito seria de “(…) preservar a identidade e cultura do seu povo. Segundo os princípios da aldeia, o professor precisa trabalhar com energia e força de um tatu, que é um caçador forte, guerreiro nato”.

O tatu, ainda segundo a doutora, é uma marca simbólica ligada à espiritualidade xavante. “(…) que imprime a diferença em relação à arquitetura dos prédios das escolas urbanas e inscreve-se uma nova discursividade”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *